Arteterapia – Regenerando

Por Nanci Hass da Cruz*

Arteterapia é uma prática terapêutica que tem como objetivo conduzir o cliente, individualmente ou em grupo, ao conhecimento de si mesmo. Visa a estimular o crescimento interior, abrir novos horizontes, ampliar a consciência do indivíduo sobre si e sobre sua existência e o desenvolvimento da personalidade.

É utilizada por pessoas que experienciam doenças, traumas, dificuldades na vida ou que buscam melhorar a autoestima, lidar melhor com sintomas de estresse e experiências traumáticas, desenvolver recursos físicos, cognitivos e emocionais e desfrutar do prazer vitalizador do fazer artístico. Por ser bastante transformadora, pode ser praticada por crianças, adolescentes, adultos, idosos, por pessoas com necessidades especiais, enfermas ou saudáveis.

Utiliza as diferentes técnicas artísticas a fim de auxiliar o cliente a se conhecer, por meio da pintura, escultura, desenho, contação de histórias, modelagem, colagem, desenho, tecelagem, expressão corporal, sons, músicas, criação de personagens, dentre outras, mas utiliza fundamentalmente as artes plásticas. Utiliza a expressão simbólica, de forma espontânea, sem preocupar-se com a estética, já que os objetivos são a expressão das emoções e a relação que se estabelece com as imagens.

A arte favorece a emersão e o trabalho com conteúdos psíquicos de maneira mais leve e prazerosa comparado a um processo puramente verbal.

O arteterapeuta mergulha junto com o cliente num mundo imaginário e ao mesmo tempo real, conduzindo-o na busca do autoconhecimento. E, neste processo, o cliente entra em contato com conteúdos submersos do inconsciente para reconhecê-los e aprender a viver da melhor maneira possível, preservando a saúde mental e corporal. Considerando o ser humano como um todo.
Entrelaça arte e psicologia analítica, desenvolvida por Carl Gustav Jung.

Ele foi o primeiro a utilizar a expressão artística em consultório. Para ele, a simbolização do inconsciente individual e do coletivo ocorre na arte. Na década de 20, recorreu à linguagem expressiva como forma de tratamento e, para tanto, pedia aos clientes que fizessem desenhos livres, imagens de sentimentos, de sonhos, de situações conflituosas ou outras. Priorizava a expressão artística e a verbal como componentes de cura.

A arteterapia com abordagem Junguiana fornece o caminho por intermédio do suporte de materiais adequados para que a energia psíquica plasme símbolos em criações diversas. Estas produções simbólicas retratam múltiplos estágios da psique, ativando e realizando a comunicação entre inconsciente e consciente. Este processo colabora para a compreensão e resolução de estados afetivos conflitivos, favorecendo a estruturação e a expansão da personalidade através do processo criativo.

Não é necessário ser artista ou conhecer as técnicas das artes para fazer Arteterapia. Basta ter motivação para o autoconhecimento.