Carl Jung

 

O ARQUÉTIPO SEGUNDO CARL GUSTAV JUNG

O conceito de arquétipo surgiu em 1919 com o psicanalista suíço Carl Gustav Jung, discípulo de Freud.

Jung investigou até concluir que os fenômenos que nossos antepassados viveram, a um nível coletivo e em diferentes épocas, culturas e sociedades, modelam a nossa maneira de ser. Ele conceituou isso como arquétipo. Jung chegou a conclusão que os arquétipos são conjuntos de imagens primordiais, provenientes de uma sucessão de repetições progressivas de uma mesma experiência durante muitas gerações que ficaram armazenadas no inconsciente coletivo. O conceito do arquétipo foi utilizado por Jung em sua análise sobre a psique humana.

Segundo ele, os arquétipos são míticos personagens universais que residem no inconsciente coletivo das pessoas. Os arquétipos representam as motivações humanas que vão traçando nossas experiências e desencadeando emoções profundas e se somatizando de geração em geração.

 

O INCONSCIENTE COLETIVO

Para Jung, inconsciente coletivo é formado por um conjunto de aspectos individuais e coletivos qu ficam armazenados em uma parte secreta da nossa mente, que influi em nossa percepção e interpretação dos acontecimentos e em nossas vivências.

Os arquétipos são expressões da influência de experiências e memórias de nossos antepassados, portanto nós não nos os desenvolvemos isoladamente, fazem parte e interferem em nossa formação o que vem da sociedade, do contexto cultural e histórico, nos influenciando intimamente, gerando em nós padrões de pensamentos, modelos sociais e interpretação da realidade. Na perspectiva individual, o inconsciente é representado por padrões emocionais e comportamentais, representados pelos arquétipos, que influem em nossa forma de sentir, perceber, interpretar, pensar, agir e direcionar nossa vida, passando a ser o sentido de nossa existência.

Os arquétipos se originam da expressão do inconsciente coletivo em nós, modelando nossa existência, se tornando um padrão de comportamento, caracterizando nosso modo de vida e jeito de ser.

 

COMO OS ARQUÉTIPOS SE MANIFESTAM?

Os arquétipos definidos por Jung representam padrões de imagens e símbolos que aparecem de forma recorrente de diferentes formas em todas as culturas e que passam de geração em geração. Um arquétipo retrata a manifestação do inconsciente coletivo em nós.

As imagens arquétipas são universais e podem ser percebidas nas expressões culturais de diferentes sociedades, seja na fala, no comportamento ou nos ideais, a cultura interfere no que somos e fazemos, mesmo sem nos dar conta. Alguns terapeutas, psicólogos e psicanalistas utilizam os arquétipos junguianos para decifrar conflito interno entre o inconsciente e o consciente na mente do paciente.

 

TIPOS DE ARQUÉTIPOS

Abaixo iremos ver 12 (doze) tipos de arquétipos junguiano. Quando analisamos esses arquétipos, verificamos que eles são semelhantes a símbolos que se originam signos de cada cultura, como por exemplo os signos da astrologia. Para quem entende um pouco dos arquétipos dos signos do zodíaco encontrará uma referencia entre os arquétipos de mentes humanas abaixo.

O HERÓI

 

Geralmente é o protagonista. Suas principais características são a coragem e a força de vencer, não importam os desafios. Este arquétipo geralmente define aquele que tenta provar suas competências através de atos grandiosos, buscando um bem maior, geralmente para o próximo, mas pode ocorrer de querer pra si próprio também. Muitas vezes, acaba se tornando um mártir.

O herói também é conhecido como: o guerreiro, o salvador, o super-herói, o soldado, o matador de dragão, o vencedor e o jogador da equipe.

Lema: onde há uma vontade, há um caminho.

Desejo central: provar o valor para alguém através de atos corajosos.

Objetivo: especialistas em domínio de um modo que melhores o mundo.

Maior medo: fraqueza, vulnerabilidade, ser um covarde.

Estratégia: ser tão forte e competente quanto possível.

Fraqueza: arrogância, sempre precisando de mais uma batalha para lutar.

Talento: competência e coragem.

Zodíaco: Áries

 

O FORA DA LEI

Também conhecido como revolucionário ou rebelde. Suas características giram em torno de um espirito livre, que não segue regras e geralmente está à frente de seu tempo. Percebe-se bem que não se encaixa na sociedade, e tem qualidades que inspiram outras pessoas, ou que a sociedade desdenha, por liberar o mais selvagem de dentro de cada um.

O fora da lei também é conhecido como: o ilegal, o revolucionário, o homem selvagem, o desajustado, o iconoclasta.

Lema: as regras são feitas para serem quebradas.

Desejo central: vingança ou revolução.

Objetivo: derrubar o que não está funcionando.

Maior medo: ser impotente ou ineficaz.

Estratégia: interromper, destruir ou chocar.

Fraqueza: cruzar para o lado negro do crime.

Talento: ousadia, liberdade radical.

Zodíaco: Capricórnio

 

O BOBO DA CORTE

Quando um personagem tem como base o arquétipo de bobo da corte, só quer se divertir. Sem medo do que os outros vão pensar e sem se prender a qualquer tipo de modelo socialmente predefinido, o bobo da corte é sempre espontâneo, brincalhão. Ele quer desfrutar de tudo o que a vida pode oferecer antes que seja tarde demais.

O bobo da corte é também conhecido como: o tolo, o malandro, o palhaço, o brincalhão, o comediante.

Lema: “Carpe Diem”. Só se vive uma vez.

Desejo central: viver para o momento com pleno gozo.

Objetivo: ter um grande momento e iluminar o mundo.

Maior medo: se aborrecer ou chatear os outros.

Estratégia: jogar, fazer piadas, ser engraçado.

Fraqueza: frivolidade, desperdício de tempo.

Talento: alegria.

Zodíaco: Sagitário

 

O CRIADOR

Este arquétipo define o personagem que sente necessidade de criar e inovar, caso contrário, sente-se mal e inútil. Quer deixar sua marca de alguma forma e expressa sua visão e ideias, mas pode se tornar perfeccionista ou encontrar meios nem sempre tidos como “corretos” para realizar suas criações.

O criador é conhecido como: o artista, o inventor, o inovador, o músico, o escritor, o sonhador.

Lema: se pode ser imaginado, pode ser criado.

Desejo central: criar coisas de valor duradouro.

Objetivo: realizar uma visão.

Maior medo: a visão ou execução medíocre.

Estratégia: desenvolver a habilidade e o controle artístico.

Tarefa: criar cultura, expressar a própria visão.

Fraqueza: perfeccionismo, soluções ruins.

Talento: criatividade e imaginação.

Zodíaco: Peixes


O INOCENTE 

O inocente é o típico personagem otimista. Deixa-se levar por simples emoções positivas, esperançosas e nostálgicas, e sempre almeja o “paraíso”. Quer apenas ser feliz, se sentir bem, e acaba confiando muito em outras pessoas. Também tem um grande problema com mudanças, e prefere estar estagnado, pois se sente bem onde está, ou então, acha que o destino trará algo melhor.

                O inocente é conhecido também como: utópico, tradicionalista, ingênuo, místico, santo, romântico, sonhador.          

Lema: somos livres para ser eu e você.

Desejo principal: chegar ao paraíso.

Objetivo: ser feliz.

Maior medo: Ser punido por ter feito algo de ruim ou errado.

Estratégia: fazer as coisas certas.

Fraqueza: chato por toda a sua inocência ingênua.

Talento: fé e otimismo.

Zodíaco: Leão

 

A PESSOA COMUM

                O cara comum só quer uma coisa: pertencer ao meio. Tem forte empatia para com os que o cercam, e tenta ao máximo ser como todos os outros, ter o máximo de características em comum com aqueles a sua volta e ser aceito. Igualitário e abomina superficialidade.

A pessoa normal também é conhecida como: o bom menino velho, o homem comum, a pessoa da porta ao lado, o realista, o cidadão sólido, o trabalhador rígido, o bom vizinho, a maioria silenciosa.

Lema: todos os homens e mulheres são iguais.

Desejo central: ligação com os outros.

Objetivo: fazer parte.

Maior medo: ficar de fora ou se destacar da multidão.

Estratégia: desenvolver sólidas virtudes comuns, seja para a Terra ou o contato comum.

Fraqueza: perder o próprio “Eu” em um esforço para se misturar ou para uma questão de relações superficiais.

Talento: o realismo, a empatia, a falta de pretensão.

Zodíaco: Virgem

 

O PRESTATIVO

Completamente altruísta, o arquétipo do prestativo só quer o bem do próximo, acima do próprio. É semelhante ao herói, com a única diferença de que não busca um bem maior, nem quer mudar algo ou destruir algum mal. No entanto, esse arquétipo pode vir em conjunto com o do herói na construção de um personagem.

O prestativo é conhecido também por: o santo, o altruísta, o pai, o ajudante, o torcedor.

Lema: ame ao teu próximo como a ti mesmo.

Desejo central: proteger e cuidar dos outros.

Objetivo: ajudar os outros.

Maior medo: egoísmo e ingratidão.

Estratégia: fazer coisas para os outros.

Fraqueza: martírio a ser explorado.

Talento: compaixão e generosidade.

Zodíaco: Libra

 

O EXPLORADOR

O explorador sente a necessidade de desvendar os mistérios do mundo e da vida, pois deste modo, conhecerá a si mesmo. Precisa ser livre para qualquer tipo de aventura em sua busca pessoal para descobrir quem ele realmente é.

                O explorador também é conhecido como: o candidato, o iconoclasta, o andarilho, o individualista, o peregrino.

Lema: não construa cercas à minha volta.

Desejo central: a liberdade de descobrir quem é através da exploração do mundo.

Objetivo: a experiência de um mundo melhor, mais autêntico, mais gratificante na vida.

Maior medo: ficar preso, conformidade e vazio interior.

Estratégia: viajar, procurar e experimentar coisas novas, fugir do tédio.

Fraqueza: perambular sem destino tornando-se um desajustado.

Talento: autonomia, ambição, ser fiel a sua alma.

Zodíaco: Aquário

 

O MAGO

                O mago quer sempre entender o principio das coisas. Busca conhecer as leis que regem o Universo, para manipulá-las a seu favor e fazer sonhos se tornarem realidade. Mas é exatamente esta a sua fraqueza: acabar se tornando manipulador. Geralmente, quando a consequência de seus atos é ruim e sai de seu controle, o personagem baseado no arquétipo do Mago tem uma reflexão interior, avaliando a si mesmo para resolver o problema.

O mágico também é conhecido como: o visionário, o catalisador, o inventor, o líder carismático, o xamã, o curandeiro, o feiticeiro.

Lema: eu faço as coisas acontecerem.

Desejo central: compreensão das leias fundamentais do Universo.

Objetivo: realizar sonhos.

Maior medo: consequências negativas não intencionais.

Estratégia: desenvolver uma visão e viver por ela.

Fraqueza: se tornar manipulador.

Talento: encontrar soluções ganha-ganha.

Zodíaco: Touro


O AMANTE

                Este arquétipo é semelhante ao do cara comum; busca relacionar-se com todas as pessoas, com a diferença de que a busca é de relações intensas, construídas na base da confiança e intimidade, seja com amantes, familiares e amigos. Seu maior medo é ficar sozinho, e um defeito é que pode acabar se esquecendo da própria identidade por se preocupar muito com a própria imagem, buscando ser sempre atraente.

                O amante também é conhecido como: o parceiro, o amigo íntimo, o entusiasta, o sensualista, o cônjuge, o construtor de equipe.

Lema: você é o único. Só tenho olhos para você.

Desejo central: intimidade e experiência.

Objetivo: estar em um relacionamento com as pessoas no trabalho e no ambiente que eles amam.

Maior medo: ficar sozinho, ser um invisível, ser indesejado, ser mal amado.

Estratégia: tornar-se cada vez mais atraente fisicamente e emocionalmente.

Talento: paixão, gratidão, valorização e compromisso.

Zodíaco: Escorpião


O GOVERNANTE 

Este é bastante observado, é o típico arquétipo de quem busca poder e controle das situações. É tipo e visto como um líder nato, responsável, que sabe guiar bem um grupo de envolvidos em alguma trama aparentemente complicada. Seu defeito é o que pode acabar se tornando autoritário demais.

                O governante também conhecido como: o chefe, o líder, o ditador, o aristocrata, o rei, a rainha, o político, o gerente, o administrador.

Lema: o poder não é tudo. É a única coisa.

Desejo central: controle e poder.

Objetivo: criar uma família ou uma comunidade bem sucedida e próspera.

Estratégica: exercer o poder.

Maior medo: o caos, ser destituído.

Fraqueza: ser autoritário, incapaz de delegar.

Talento: responsabilidade, liderança.

Zodíaco: Câncer

 

O SÁBIO

O arquétipo do sábio é conhecido por servir de base para personagens que buscam o conhecimento, aprendizagem e formas de compreensão apenas para o crescimento pessoal, e não para algum objetivo especifico. Pode acabar se tornando envolvido demais com as informações que encontra e acabar esquecendo-se de agir, ou do resto do mundo.

                O sábio também é conhecido como: o perito, o erudito, o detetive, o conselheiro, o pensador, o filósofo, o acadêmico, o pesquisador, o pensador, o planejador, o profissional, o mentor, o professor, o contemplador.

Lema: a verdade é libertadora.

Desejo central: encontrar a verdade.

Objetivo: usar a inteligência e a análise para compreender o mundo.

Maior medo: ser enganado, iludido, ou ser ignorante.

Estratégia: buscar informações e conhecimento, auto reflexão e compreensão dos processos de pensamento.

Fraqueza: pode estudar detalhes para sempre e nunca agir.

Talento: sabedoria, inteligência.

Zodíaco: Gêmeos